quarta-feira, 29 de maio de 2013

Exploração do cata livros



Crianças do 1º Ciclo de Vila Flor vieram à Biblioteca Escolar - participar na Hora do Conto e explorar a História digital " O rapaz que sabia acordar a Primavera", no cata livros.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Nada somos...



 
 Nada Nos Falta, porque Nada Somos

Ao longe os montes têm neve ao sol,
Mas é suave já o frio calmo
Que alisa e agudece
Os dardos do sol alto.

Hoje, Neera, não nos escondamos,
Nada nos falta, porque nada somos.
Não esperamos nada
E temos frio ao sol.

Mas tal como é, gozemos o momento,
Solenes na alegria levemente,
E aguardando a morte
Como quem a conhece.

Ricardo Reis, in "Odes"
Heterónimo de Fernando Pessoa

terça-feira, 21 de maio de 2013

A maior aventura

 
"A maior aventura de um ser humano é viajar,
E a maior viagem que alguém pode empreender
É para dentro de si mesmo.
E o modo mais emocionante de a realizar é lendo um livro,
Pois um livro revela que a vida é o maior de todos os livros,
Mas é pouco útil para quem não souber ler nas entrelinhas
E descobrir o que as palavras não disseram:
No fundo, o leitor é o autor da sua história..."

(Augusto Cury)

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Hora do conto



Hora do Conto - História de uma flor

 Hora do conto - História de uma flor de Matilde de Rosa Araújo-
Exploração do livro digital, no cata livros. 
Com as crianças do 1º Ciclo do 1º e 2º ano de Vila Flor.

Sites aconselhados


Sugestões de sites que valem a pena ser visitados, por categoria (diversos): (clique em cima de cada título, pressionado a tecla CTRL)

Trailers
Veja aqui os trailers de todos os filmes do momento. Inclui as estreias da semana com as respectivas sinopses, o ranking dos filmes mais vistos e vários passatempos onde se podem ganhar convites para as antestreias.
Categoria:
Cinema, Teatro e Cultura



Categoria: Diversos

Planetazul
O portal de ambiente e sustentabilidade, organizado por vários temas: Vida & Lazer, Casa, Empresa, Saber, Notícias, Agenda, Dicionário, entre outros.

Categoria: Natureza e Ambiente 

Hoteis.pt
O portal hoteleiro de Portugal. Encontre os hotéis que procura para as suas férias ou viagens de negócios e faça a reserva de imediato, sem demoras e com a maior segurança.
Categoria:
Turismo, Férias e Viagens
Ilha Dourada
Encontre muita informação sobre a ilha de Porto Santo: história da ilha, como chegar, onde ficar, onde comer, o que visitar, etc.
Categoria:
Turismo, Férias e Viagens
Que peixe comer?
O projecto da Liga para a Protecção da Natureza, tem como objectivo disponibilizar informação sobre as 20 espécies de peixe consumidas e capturadas em Portugal, mostrando o caminho que o peixe percorre, desde que sai do mar até que chega ao nosso prato.
Categoria:
Animais e Plantas 
 
Tudo Sobre Cavalos
Feito a pensar nos amantes de cavalos e dos desportos equestres. Nele poderá encontrar tudo sobre cavalos, como raças, morfologia, alimentação, ferração, maneio geral, entre outros.
Categoria:
Animais e Plantas
Prove Portugal
O projecto Prove Portugal visa devolver uma gastronomia única num mundo globalizado. Convidar à experimentação de sabores autênticos em iguarias reinventadas. Educar os sentidos para os vinhos que adquiriram uma complexa simplicidade.
Categoria:
Culinária, Receitas e Gastronomia
Pordata
O projecto Pordata – Base de Dados de Portugal Contemporâneo, disponibiliza os dados estatísticos sobre: População, Saúde, Educação, Emprego, Empresas, Rendimento, Habitação, Justiça, Cultura, entre outros.
Categoria:
Diversos
Agência Portuguesa do Ambiente
A APA é o organismo encarregado de acompanhar a execução das políticas de ambiente, relativas a: alterações climáticas, camada do ozono, qualidade do ar, ruído, resíduos, poluição, segurança ambiental, entre outras.
Categoria:
Gov – Organismos Públicos

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Dia da Europa

                      Para saber mais, entrar na página oficial.

Sugestão de leitura


 
 
Titulo: Mamã Maravilha
Autor: Orianne Lallemand
Ilustrador: Elen Lescoat
Editora: Presença
Sinopse:
Mamã Maravilha vem apresentar aos leitores de palmo e meio como podem ser descritas as mães, de acordo com o seu estado de espírito. Uma pequena criança, que assume o papel de narrador nesta breve história define os vários tipos de mães: mamã ternura, mamã flor, mamã maravilha, mamã aborrecimento, mamã surpresa, mamã guloseima, entre outras. Mais um livro encantador cartonado e almofadado que desta vez fará as maravilhas não só das crianças como certamente das suas mães.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Contos de Hans Christian Andersen

                  (Texto literário da 1ª parte do exame do 4º ano- aceder ao exame completo aqui)
sereiazinha
«Longe, lá longe no mar alto, a água é tão azul como as pétalas da mais bela centáurea e tão límpida como o vidro mais transparente; mas é profunda, muito profunda, tão profunda que nenhuma âncora jamais lá chegou. Nessas profundezas vivia o povo das águas.
Não se deve pensar, nem por um único momento, que lá em baixo não há nada senão areia branca. Não, a verdade é que crescem aí as mais maravilhosas árvores e plantas, com caules e folhas tão frágeis e sensíveis que ondulam com o mais leve movimento das águas, como criaturas animadas de vida. Toda a espécie de peixes, grandes e pequenos, desliza por entre os ramos, como aves voando pelo ar. No sítio mais profundo, fica o palácio do rei. As paredes são de coral e as compridas janelas pontiagudas são do âmbar mais transparente, enquanto o telhado é feito de conchas de ostras que abrem e fecham com as ondas.
O rei era viúvo há muitos anos, e a rainha mãe é que lhe governava a casa. Era uma senhora idosa e muito sensata, embora demasiado orgulhosa da sua posição real, pelo que usava sempre doze ostras na cauda, ao passo que às outras pessoas da realeza só era permitido usar seis. Mas ela merecia um tratamento especial, porque cuidava das princesinhas suas netas.
Eram seis, todas belas, mas a mais nova era a mais bela de todas. A sua pele era como uma pétala de rosa, lisa e sedosa, e os seus olhos eram tão azuis como o lago mais profundo. Mas, tal como as outras, não tinha pés: o seu corpo terminava numa cauda de peixe. Durante todo o dia, ela e as suas irmãs brincavam no palácio, saindo e entrando das enormes salas, onde cresciam flores marinhas nas paredes.
Fora do palácio havia um grande jardim com árvores vermelhas como o fogo e azuis como o mar. Cada uma das princesinhas tinha uma pequena parcela de jardim que ela própria cultivava como queria. Uma deu ao seu canteiro a forma de uma baleia; outra, a de uma sereia. Mas a mais nova desenhou o seu canteiro em círculo, como o Sol, e as únicas flores que lá plantou eram como pequenos sóis, com o mesmo brilho e a mesma cor.
Era uma criança estranha, calada e pensativa. Enquanto as outras irmãs decoravam os seus canteiros com várias coisas provenientes de navios afundados, o único ornamento que ela escolheu foi uma bela escultura de mármore representando um lindo rapazinho, feita de pedra branca e proveniente também de um naufrágio. Ao lado do rapazinho de mármore plantou uma roseira que parecia um salgueiro-chorão, a qual cresceu rapidamente, até que os seus ramos se curvaram sobre a figura de pedra, tocando na areia azul do fundo.
Nada dava maior prazer à princesinha do que ouvir falar do longínquo mundo dos seres humanos. Pedia à velha avó que lhe contasse tudo o que sabia sobre navios e cidades, pessoas e animais. Achava estranho e maravilhoso que as flores da terra tivessem cheiro, porque as do mar não cheiravam a nada.
– Assim que fizerem quinze anos – disse a avó às suas netas – podem ir até à superfície, sentar-se nas rochas ao luar e ver os grandes navios que passam lá em cima. Se tiverem coragem suficiente, até poderão ver bosques e cidades! (…)»
Hans Christian Andersen, A Sereiazinha (trad. Ribeiro da Fonseca), 2.ª edição, Porto, Edições Afrontamento, 2009
(texto com supressões)

Tu és mais forte


 Boss AC

Oh, I think i did it again
Quem sabe não esquece
É como andar de bicicleta
Tu és mais forte e sei que no fim vais vencer
Sim, acredita num novo amanhecer
Não tenhas medo, sai à rua e abraça alguém
E vai correr bem, tu vais ver
Tu mereces muito mais
És forte, abanas mas não cais
Mesmo que sintas o mundo a ruir
Quando as nuvens passarem vais ver o sol a sorrir
A estrada não é perfeita
Apenas uma vida, aproveita
Só perdes se não tentares
E não desistas se falhares
O que não mata engorda
Torna o teu sonho real, acorda
Limpa as lágrimas e luta
Segue o teu caminho e escuta
A voz dentro de ti
As respostas que procuras, dentro de ti
Acredita em ti que tu és
Mais forte e tens o mundo a teus pés
Tu és mais forte e sei que no fim vais vencer
Sim, acredita num novo amanhecer
Não tenhas medo, sai à rua e abraça alguém
E vai correr bem, tu vais ver
Um dia tudo fará sentido
E vais ver que terás o prémio merecido
És o que és, não és o que tens
A tua essência não se define pelos teus bens
Às vezes as pessoas desiludem
Mas não fiques em casa parado à espera que mudem
Muda tu rapaz
Muda a tua atitude, vais ver ver que és capaz
E nada te pode parar
Os cães vão ladrar e a caravana a passar
O teu sorriso de vitória no rosto
Nem tudo é fácil mas assim dá mais gosto
Quando acreditas a força nunca se esgota
Só a reconheces a vitória se souberes o que é a derrota
Vais ver que no fim acaba tudo bem
Sai à rua e abraça alguém
Tu és mais forte e sei que no fim vais vencer
Sim, acredita num novo amanhecer
Não tenhas medo, sai à rua e abraça alguém
E vai correr bem, tu vais ver
Tu és, tu és, tu és
Mais forte e no fim vais vencer
Tu és, tu és oh oh oh oh
Tu és mais forte e sei que no fim vais vencer
Sim, acredita num novo amanhecer
Não tenhas medo, sai à rua e abraça alguém
E vai correr bem, tu vais ver
Tu és, tu és, tu és
Mais forte e no fim vais vencer
Tu és, tu és oh oh oh oh

Ateliê Dia da Mãe


quinta-feira, 2 de maio de 2013

Revolução

Como casa limpa
Como chão varrido
Como porta aberta

Como puro início
Como tempo novo
Sem mancha nem vício

Como a voz do mar
Interior de um povo

Como página em branco
Onde o poema emerge

Como arquitectura
Do homem que ergue
Sua habitação
 
Sophia de Mello Breyner Andresen, in "O Nome das Coisas"