sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Vida

Rondo.
Mas nem sei o que guardo, nem conheço
Quem me manda ficar de sentinela...
Sei apenas que é um crime se adormeço
E deixo de espreitar pela janela.

Rondo,
Como soldado lírico que sou.
Se é manhã,
Se é poema,
Se é luar, o que vem,
- Sabe-o quem me acordou,
Se foi alguém...

Coimbra, 27 de Janeiro de 1943

Miguel Torga

Sem comentários:

Enviar um comentário